Requisito é regra de Negócio?

Já se tornou tão comum a utilização de regra de negócio como requisito e vice-versa, que muitos acabam confundindo os termos e os classificam como sinônimos. Será que realmente não existe diferença entre estes conceitos e regra de negócio é requisito?  Continue lendo

O que um Analista de Sistemas faz

Um software é normalmente desenvolvido para atender as necessidades e expectativas dos seus usuários, com isso, para que o sistema tenha sucesso na sua finalidade é preciso conhecer bem detalhadamente as reais necessidades dos usuários. Acontece que nem sempre eles sabem exatamente o que querem, algumas vezes os clientes sabem o que querem mas não sabem como expressar e outras vezes os requisitos simplesmente não podem ser atendidos por fatores como: limitação tecnológica, custoxbeneficio e etc…

Para auxiliar os clientes na geração das melhores soluções e na discussão sobre quais requisitos são viáveis temos a figura importante do analista de sistemas, profissional responsável por fazer o meio de campo entre clientes e programadores. Essa função é fundamental para o sucesso de um projeto, já que um dos motivos principais para um projeto malsucedido é a comunicação falha entre as partes.

Como a falta de comunicação pode ser prejudicial

E porque essa comunicação muitas vezes é falha? Simples, o cliente na maioria das vezes tem seu conhecimento restringido ao negócio em que ele atua, tendo pouco conhecimento da área tecnológica. Já o desenvolvedor normalmente sabe muito da parte técnica, as melhores práticas de programação, mas não conhece o negócio para qual ele vai desenvolver o sistema. Aí quando um fala o outro não entende nada, justamente por não ter conhecimento do assunto.

O analista preenche essa lacuna por ter um conhecimento maior de várias áreas como saúde, economia, direto e outras mais e tem também o conhecimento técnico de informática, podendo conversar em alto nível tanto com o cliente quanto com o programador. Isso traz segurança para as duas partes e o analista pode também por ter conhecimento, saber extrair melhor requisitos que o cliente nem imagine que precise no futuro.
Além de preencher esta lacuna cliente/desenvolvedor ele também é responsável por buscar as melhores soluções para que as informações sejam processadas pelo sistema. Cabe a ele também definir a configuração de hardware/software ideal para que o seu sistema possa rodar e que possa também se adequar a realidade da empresa contratante. É responsável também por definir a configuração do ambiente, a organização e a manutenção do sistema.
Para quem quer se tornar um bom analista de sistemas, algumas características são essenciais. Criatividade para descobrir novas soluções, bom senso para evitar situações desgastantes por requisitos mal definidos, ter perfil de líder para poder conduzir a equipe de desenvolvedores. Ser bom em relações interpessoais, afinal a colaboração das partes é fundamental, saber expressar bem suas idéias, visão clara dos negócios da empresa. Tem que se manter sempre antenado com as novidades tecnológicas, afinal ninguém vai querer contratar uma tecnologia defasada. E para quem quer trabalhar em grandes corporações, o inglês é essencial.
Como apresentado, o analista de software é alguém que além de conhecer as características do desenvolvimento, também conhece as regras do negócio e é responsável pela interação/comunicação entre os clientes e os desenvolvedores. Com isso, a atuação do analista é importantíssima, pois se o mesmo transcrever as regras erradas para os desenvolvedores fatalmente o sistema conterá erros.
Então é isso pessoal, gostaram do post? tem alguma dúvida, comentário ou não concordam com algo? Fico aguardando os comentários de vocês. Até breve.

O que é a Tecnologia da Informação

A tecnologia da informação é uma das principais áreas da humanidade atualmente, servindo como ferramenta meio para o desenvolvimento das mais diversas atividades, desde agrícolas até em pesquisas espaciais.

Atualmente não tem como ficar alheio a tecnologia, sendo que a mesma encontra-se em todas as partes. Não dá para imaginar as nossas vidas sem e-mail, redes sociais, twitter, site de notícias, de compras, entre outros.

No entanto é importante demonstrarmos de fato o que vem a ser a área de Tecnologia de informação, ou TI como é comumente chamada, e em especial o seu profissional.

 A área de TI é formada basicamente por três entidades, Hardware, Software e Pessoas. Alguns especialistas comentam na existência de outras entidades, contudo, iremos abordar pelo menos inicialmente somente essas três, pois julgamos as mesmas como as mais importantes.

Hardware.

Hardware é a parte física de um computador, como por exemplo, o processador, placa mãe, monitor, etc.

Software.

O software é toda a parte lógica, desde o sistema operacional ( Windows, Linux, Mac ) até as aplicações do dia-a-dia que todos usamos.

Pessoas.

Podemos dividir as pessoas como usuários e profissionais de TI. Os usuários são todas as pessoas que utilizam os softwares que estão instalados em um hardware, portanto, um profissional de TI é ao mesmo tempo um usuário, mas o que é um profissional de TI?

Ao contrário do que muitos pensam um profissional de TI não é alguém especialista em computador, existem as mais diversas especialidades dentro dessa área, como por exemplo:

  • Técnico (Suporte) – Responsável por realizar reparos em máquinas, como troca de        peças, limpeza e instalação softwares;
  • Analistas de teste – Responsáveis por realizar testes nas aplicações para validar sua eficácia antes das mesmas serem levadas aos clientes;
  • Analista de sistemas – Responsáveis por realizar as análises de o que o sistema necessita, se o mesmo é viável, e como deve ser construído;
  • Desenvolvedores de aplicações – Especialistas em desenvolvimento, podendo ser ainda especialista em uma linguagem de programação específica, desenvolve os códigos ou como muitos chamam a regra de negócio da aplicação;
  • DBA – Especialistas em banco de dados;
  • Analista de redes – Especialista na área de redes de comunicação de dados, responsável pela elaboração e implantação de projetos de redes, bem como do seu funcionamento;
  • Analista de segurança – Especialista em segurança computacional, responsável por manter a rede da empresa, e consequentemente os dados da mesma, livre de qualquer acesso não autorizado;
  • Gerente de projetos – Especialista em gerenciamento, responsável por garantir o andamento do projeto pelas perspectivas de prazo, qualidade e custo.

Bem essas são apenas algumas das possíveis áreas de atuação de um profissional de TI, sendo que cada profissional costuma ser especialista em apenas uma das áreas.

Para resumir, como muitas pessoas adoram brincar, uma boa explicação para os três itens mencionados é que: o hardware é aquilo que você chuta, software é aquilo que você xinga e o que seriam os profissionais de TI nesse processo? Simples é aquele que sofre todos os dias para que o usuário não precise chutar o equipamento, muito menos xingar o software que deu tanto trabalho para desenvolver. 🙂

Então é isso, mas em breve teremos muito mais assunto aqui no blog, até mais e qualquer sugestões ou dúvidas fiquem a vontade para comentar.